Gestão de obras: 4 erros que não podem ocorrer

Saiba mais sobre gestão de obras e como evitar os imprevistos mais comuns nos projetos. Descubra os erros frequentes nessa área.
Atualizado em 11/06/2019

Indispensável em construtoras e demais empresas de engenharia civil, a gestão de obras é uma competência responsável por dar vida às construções e edificações ao executar projetos de arquitetura e engenharia, garantindo que ocorra no escopo e no prazo propostos.

Apesar de não se ter registros sobre o nascimento do conceito de gestão de obras na antiguidade, percebe-se que, desde essa época, já existia a necessidade de se gerenciar projetos, como, por exemplo, a gestão da construção das pirâmides do Egito.

Os estudos sobre o assunto passaram a existir principalmente depois do desenvolvimento do modelo de trabalho como conhecemos hoje, por volta de 1860. Frederick Taylor (1856-1915) foi um dos primeiros estudiosos a pensar na organização para desenvolver esses projetos. De acordo com seus estudos, o melhor caminho para o sucesso do projeto era focar no aperfeiçoamento da mão de obra, e não no aumento das horas trabalhadas.

“O melhor caminho para o sucesso do projeto é focar no aperfeiçoamento da mão de obra, e não no aumento das horas trabalhadas.”

Posteriormente, Henry Gantt (1861-1919) foi considerado o pai do gerenciamento de projetos. Isso porque foi ele quem trabalhou na construção de um navio na Primeira Guerra Mundial, a partir da estruturação de uma barra de tarefas e marcos com as durações, sequências e identificação dos responsáveis pelas atividades do projeto. Hoje conhecimento como Diagrama de Gannt.

Exemplo de Modelo de Diagrama de Gannt

Exemplo de Modelo de Diagrama de GanntExemplo de Modelo de Diagrama de Gannt[/caption]

Se você está acostumado a lidar com gestão de obras, provavelmente conhece já utilizou essa ferramenta. Se não conhece, fica a dica pois é um excelente solução para gestão de projetos, principalmente para área de construção civil.

Em 1969, foi criado o Project Management Institute (PMI), instituição localizada nos Estados Unidos e responsável por conduzir pesquisas e fixar padrões profissionais. A entidade facilita o acesso a uma gama de informações e recursos para os profissionais da área.

Gestão de obras no Brasil

Atualmente, a gestão de obras se modernizou e muitas empresas recorrem a este conceito com o objetivo de ter mais controle dos gastos e prazos otimizando todo o processo de trabalho e, garantindo, assim, a qualidade do projeto final.

De acordo com a Lei 5.194, de 1966, a gestão de obras no Brasil é uma atribuição de arquitetos e engenheiros civis. Mas, afinal, o que significa gerenciar uma obra? É cumprir o cronograma e a previsão financeira, além de gerir profissionais e atividades. Essa função, normalmente, é assumida por uma pessoa organizada, que saiba gerenciar custos, contratos, prazos e tenha bom senso para lidar com pessoas, tanto clientes quanto funcionários.

4 erros que não podem ocorrer na gestão de obras

Conheça agora os quatro erros mais comuns na gestão de obras e saiba como se organizar para evitá-los.

1 – Mau gerenciamento do tempo

Para uma gestão de obras eficiente, é fundamental saber administrar o tempo e os prazos. Entre as principais consequências desse tipo de erro, estão: o aumento da jornada de trabalho e o uso do regime de horas extras. Ambos afetam drasticamente o orçamento da obra.

Uma das formas de evitar atrasos e o encarecimento do projeto é utilizar um cronograma para ajudar a elencar prioridades, além de orientar os colaboradores a serem proativos sempre que encontrarem possíveis dificuldades. A proatividade pode evitar problemas, solucionar questões rapidamente e ainda aumentar a produtividade.

“Planejar sem agir é fútil, e agir sem planejar é fatal”.
Cornelius Fitchner – PMP, gerente de projetos suíço.

2 – Mau controle das finanças

Assim como gerir prazos, acompanhar os gastos da obra regularmente é imprescindível para se evitar sustos e contratempos. Quando o assunto é gestão de obras, controlar os pagamentos e gerenciar as compras exige foco total na execução. Neste caso, o uso de uma planilha financeira, ou sistema de gestão de projetos, também pode ajudar a organizar gastos previstos e não previstos, além de traçar planos de prevenção.

De acordo com especialistas, existem diversos indicadores que podem servir de parâmetro para a organização financeira da obra, como se pode ver abaixo.

Custos diretos

– CUB/M² – O custo unitário básico por metro quadrado refere-se aos custos de construção da edificação.

– SINAPI – Elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pela Caixa Econômica Federal, a tabela do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI) serve de referência para a composição dos custos referentes ao projeto, insumos, saneamento e mão de obra.

Custos indiretos

– Benefícios e Despesas Indiretas – Apesar de cada obra possuir um BDI próprio, esse índice considera as despesas indiretas, como a administração central, por exemplo. Somado aos custos diretos mencionados acima, chega-se ao valor final do projeto.

3 – Excesso de alterações no escopo

Todo projeto, inevitavelmente, passa por alterações e mudanças de rota. É comum na gestão de obras. No entanto, é fundamental ter senso crítico e analisar se todas essas modificações fazem sentido e serão possíveis de se realizar dentro do prazo e do orçamento já definidos.

Ou seja, é preciso ter pulso firme com o cliente, que, muitas vezes, só percebe que algo deveria ser feito de uma forma diferente quando a obra já está em andamento. Mas pensando em um bom atendimento, escute a demanda do cliente e avalie a viabilidade e adequações que poderiam ser executadas sem comprometer o projeto como um todo. Caso a solicitação seja imprescindível e acatada, será necessário revisar os prazos e os custos.

4 – Falhas de comunicação

A falta de uma comunicação clara, frequente e objetiva entre os membros da equipe envolvida na obra, além de causar ruídos e insegurança também pode criar grandes problemas durante a execução do projeto.

A única forma de evitar esse erro é fazer com que todos falem a mesma língua e estejam cientes dos objetivos do trabalho. O meio usado para estabelecer essa comunicação pode variar, mas existem diversas ferramentas que podem contribuir para uma troca de informações rápida e dinâmica.

Ou seja, fortalecer a comunicação com o time é fundamental para se estabelecer uma relação de trabalho sólida e transparente, o que certamente trará impactos positivos quando o assunto é gestão de obras.

“Não importa quão excelente seja a equipe e quão eficiente seja sua metodologia, se você não estiver resolvendo o problema correto, o projeto falhará”. Woody Williams (1966 – ), famoso jogador texano de beisebol.

5 – Dispensar a contratação de seguro

Independentemente do item coberto pela apólice, o seguro costuma ser visto como uma despesa adicional. Porém, devido ao alto valor investido em determinado bem, o seguro torna-se indispensável para a segurança e, no caso de gestão de obras, é uma garantia de continuidade do projeto em situações de avarias, perdas e danos materiais decorrentes de acidentes.

Saiba mais Seguro de obra: o que é e porque contratá-lo?

Conhecido também por seguro de riscos de engenharia ou seguro de construção civil, o seguro de obra garante o ressarcimento de possíveis prejuízos que o segurado venha a sofrer em obras civis. É válido para obras em fase de construção, ampliação ou reforma. O seguro também cobre os danos que possam ser causados a terceiros, por conta do trabalho de execução da obra.

Para solicitar uma cotação de seguro de obras ou tirar dúvidas sobre a modalidade, entre em contato com os corretores da Notna.

Ricardo Ferraro

Ricardo Ferraro

Corretor de Seguros há mais de 20 anos. Formado em Engenharia Civil. Casado e pai de um lindo casal. Adoro trilhas, corrida, acampamento – Vivendo o melhor da vida.

Procurando Seguro de Obras até R$300mil?

Conheça nossa contratação rápida e agilize seu dia.